quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

20/02/11 - VIII Aniversário de Dedicação da Catedral da Arquidiocese de Teresina

Pax et bonum!


Ut sint oculi tui aperti super domum hanc nocte ac die, 
super locum, de quo dixisti: "Erit nomen meum ibi", 
ut exaudias orationem, qua orat te servus tuus in loco isto,
ut exaudias deprecationem servi tui et populi tui Israel, quodcumque oraverint in loco isto, 
et exaudies in loco habitaculi tui in caelo et, cum exaudieris, propitius eris.


Teus olhos estejam abertos noite e dia sobre esta casa, 
sobre o lugar do qual disseste: ‘Aqui estará o meu nome!’ 
Ouve a oração que o teu servo te faz neste lugar. 
Ouve as súplicas de teu servo e de teu povo Israel, quando aqui orarem. 
Escuta-os do alto da tua morada, no céu, escuta-os e perdoa!
(1Rs 8,29-30)

Próximo Domingo, dia 20, a Arquidiocese de Teresina celebraria o VII Domingo do Tempo Comum, com todos os fiéis pelo mundo que seguem o Ano Litúrgico segundo a Forma Ordinária do Rito Romano. Todavia, celebraremos uma Festa muito peculiar: trata-se do VIII Aniversário de Dedicação da Catedral da Arquidiocese de Teresina - a Igreja Nossa Senhora das Dores, na Praça Saraiva, centro da cidade.

Origem da Arquidiocese de Teresina

A Igreja do Estado do Piauí dependeu diretamente da Arquidiocese de São Luís do Maranhão por muitos e muitos anos. No ano de 1901, o Papa Leão XIII erigiu a Diocese do Piauí, separando-a da Diocese de São Luís do Maranhão, e constituindo como Catedral a Igreja de Nossa Senhora das Dores. Seguem trechos dos 3 documentos relativos a isso. Minhas traduções são apenas indicativas e podem conter erros.

...motu proprio et certa scientia, ac de Apostolicæ potestatis plenitudine, civitatem vulgo Theresina quæ caput et princeps totius regionis seu status civilis de Piauhy nuncupati existit, ad civitatis episcopalis fastigium Apostolica auctoritate evehimus atque extollimus, fruituram deinceps omnibus et singulis iuribus, honoribus et prærogativis, quibus aliæ in Brasiliana Republica civitates episcopali sede insignitæ eorumque cives fruuntur, utuntur et gaudent. Præterea parochialem Ecclesiam in eadem civitate Theresina existentem et honori Dominæ Nostræ Perdolentis dicatam, ad cathedralitatis statum et dignitatem ita ut ipsa, retenta pristina invocatione, omnibus iuribus, privilegiis et honoribus, quibus aliæ in Brasiliana Republica ecclesiæ cathedrales fruuntur, pariter fruatur, eadem Apostolica auctoritate evehimus atque erigimus; et in hac Ecclesia sedem, cathedram et dignitatem episcopales pro uno deinceps Episcopo, de Piauhy nuncupato, qui dictæ ecclesiæ, civitati et diœcesi eiusque pariter clero et populo in Domino præsit ... simili auctoritate perpetuo erigimus atque insituimus.

Por nossa própria vontade e pleno conhecimento, e pela plenitude do poder Apostólico, elevamos e constituímos, com a autoridade apostólica, a cidade chamada Teresina, que é a capital e a principal de toda a região do chamado estado civil do Piauí, ao grau de cidade episcopal. E assim fruirá de todos e cada um dos direitos, honras e prerrogativas de que fruem, aproveitam e gozam as outras cidades distintas por uma sé episcopal na República do Brasil. Ademais, elevamos e erigimos à dignidade e estado de catedral a Igreja paroquial dedicada em honra de Nossa Senhora das Dores, existente na mesma cidade de Teresina, para que também, mantida a invocação original, frua de todos os direitos, privilégios e honras de que gozam as outras igrejas catedrais na República do Brasil. E instituímos e erigimos com a mesma autoridade e para sempre a sé, a cátedra e a dignidade episcopais para um Bispo que será o Bispo do Piauí, que presida no Senhor esta igreja, cidade e diocese, bem como o seu clero e o seu povo.

(Leão XIII, Supremum catholicam Ecclesiam, 20/02/1901)


Decernimus denique ut cum Dioecesis Piauhyensis, ob peractas a suo territorio dismembrationes totum Statum Piauhy non amplius comprehendat, post hac Teresianus appelletur, ab urbe Teresina, in qua usque a dioecesis erectione episcopalis cathedra constituta fuit et in praesenti manet.

Decretamos, enfim, que a Diocese do Piauí, dado que não mais compreenda todo o Estado do Piauí após desmembrações realizadas em seu território, após isto se chame "de Teresina", por conta da cidade de Teresina, na qual desde a ereção da diocese foi constituída a cátedra episcopal e que assim permanece no presente.

(Pio XII, Ad dominici gregis bonum, 16/12/1944)



Modo igitur a Nobis erectae, per has Litteras, Provinciae erit S. Teresiae Ecclesia caput et sedes; cuius rei gratia et "Teresianam" appellandam censemus et ad gradum ac dignitatem archiepiscopalis metropolitanae Ecclesiae extollimus.

Por esta Carta, a Igreja "de Santa Teresa"* será a cabeça e a sé da Província erigida por nós, razão pela qual determinamos que se chame "de Teresina" e a elevamos ao grau e à dignidade de Igreja metropolitana arquiepiscopal.

*: pelo visto esta foi a expressão cunhada para designar inicialmente a Igreja presente em Teresina.

(Pio XII, Quemadmodum insignis, 09/08/1952)

Fontes:
http://www.archive.org/stream/analectaecclesia12romeuoft
http://www.vatican.va/archive/aas/documents/AAS%2037%20[1945]%20-%20ocr.pdf
http://www.vatican.va/archive/aas/documents/AAS%2045%20[1953]%20-%20ocr.pdf

A Catedral de Nossa Senhora das Dores



A Igreja de Nossa Senhora das Dores foi o segundo templo da cidade, tendo sua pedra fundamental sido lançada em 25 de março de 1865; sendo fundada em 1867 e inaugurada, após uma reconstrução, em 1871. Iniciada como uma capela, pelo Pe. Manoel Mamede, foi ampliada posteriormente por Dom Severino Vieira de Melo, o primeiro arcebispo, cujo corpo está enterrado no presbitério.
Foi elevada a Catedral em 1901, com a ereção da Diocese do Piauí.
Sua Dedicação foi realizada por Dom Celso José Pinto da Silva, quando Arcebispo, em 20 de fevereiro de 2003.
(Lamento não ter mais fotos da Catedral, sobretudo de seu interior, e carecer de mais informações sobre seu estilo e seus detalhes. Caso alguém queira contribuir com mais imagens, pode mandar-nos um email.)

Celebrando o Aniversário da Dedicação



De acordo com a Tabela de Precedência dos dias litúrgicos, do Missal Romano, a festa própria do Aniversário de Dedicação da igreja catedral encontra-se no mesmo grau de precedência (II) dos Domingos do Tempo Comum.
O Diretório da Liturgia e da Organização da Igreja no Brasil, nas Rubricas para a Celebração do Aniversário da Dedicação das Igrejas Catedrais (pág. 37), diz:

2. Quando o aniversário ocorre em domingo do tempo comum
a) na própria igreja catedral: Solenidade
b) na Diocese: Festa
Ofício festivo do Comum da Dedicação (com I Vésperas).
Missa do Comum da Dedicação: Glória, Credo, Prefácio da Dedicação.
Leituras (três) à escolha no Lecionário (vol. III, pp. 235-249)

Que nossas paróquias bem celebrem este aniversário, em espírito de comunhão entre as ovelhas e o pastor, honrando a Santíssima Mãe de Deus, no dia do Senhor.

Por Luís Augusto - membro da ARS

Um comentário:

Anônimo disse...

créditos da 2ª Foto (Rafael Nolêto)