sábado, 31 de dezembro de 2011

"Te Deum" (A vós, ó Deus, louvamos) para o dia 31/12 (letra, partitura e vídeos)

Et Verbum caro factum est!

Pax et bonum, caríssimos!
Feliz e Santo Tempo do Natal a todos!

2011 vai se findando e 2012 está para chegar. Embora tal comemoração não seja religiosa, a Igreja não poderia deixar de usar desta ocasião para a santificação dos fiéis e a glorificação de Deus.
Fique bem claro, portanto, que não é costume católico uma "Missa de Réveillon".
Ora, segundo alguns, a palavra "réveillon" designava uma ceia feita tarde da noite. Depois designou a Ceia de Natal. Por último, designa a ceia feita na passagem do ano e, de modo mais generalizado, a comemoração pela passagem de ano.
Para nós, cristãos, o ano mais importante, o litúrgico ou eclesiástico, já teve sua "virada" no entardecer do dia 26 de novembro, quando se iniciou o Advento.

Sobre o Preceito do dia 1º de Janeiro
O problema do Réveillon é que a vazia virada de ano toma a mente das pessoas que, por isso, esquecem completamente do Tempo Santo que estamos vivendo, o do Natal do Senhor, que só se findará na Epifania.
Os excessos também, que sempre são ruins para o corpo e a alma, fazem com que muitos cristãos (talvez tão somente pelo Batismo) se esqueçam que o dia 1º de janeiro, para a Forma Ordinária, é a Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus, enumerada como Festa de Preceito ou de Guarda no Código de Direito Canônico de 1983:
Cân. 1246 § 1. O domingo, dia em que por tradição apostólica se celebra o mistério pascal, deve ser guardado em toda a Igreja como o dia de festa por excelência. Devem ser guardados igualmente o dia do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo, da Epifania, da Ascensão e do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, de Santa Maria, Mãe de Deus, da sua Imaculada Conceição e Assunção, de São José, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo, e, por fim, de Todos os Santos.

O Codex Iuris Canonici de 1917 já dizia:
Can. 1247. § 1. Dies festi sub praecepto in universa Ecclesia sunt tantum: Omnes et singuli dies dominici, festa Nativitatis, Circumcisionis, Epiphaniae, Ascensionis et sanctissimi Corporis Christi, Immaculatae Conceptionis et Assumptionis Almae Genitricis Dei Mariae, sancti Ioseph eius sponsi, Beatorum Petri et Pauli Apostolorum, Omnium denique Sanctorum.
A Circuncisão do Senhor, em 1º de janeiro, presente ainda no Missal Pio-Beneditino (1920), passou a ser chamada apenas de dia da Oitava de Natal, guardando as mesmas orações, que tratavam da Virgem Maria. Com as reformas pós-conciliares passou a ser a Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus.

Resumidamente, o dia 1º de janeiro, para ambas as Formas do Rito Romano, é festa de preceito ou de guarda.

O "Te Deum"
Este antiquíssimo hino não tem autoria conhecida com certeza. Atribuiu-se há muito tempo a Santo Ambrósio e Santo Agostinho (séc. V), também a São Niceto, bispo de Remesiana (séc. V). Nos escritos de São Cipriano de Cartago (morto no séc. III), porém, há textos cuja semelhança com alguns versos do Te Deum não parece ser simples coincidência. Na verdade parece apontar para uma autoria do séc. III ou mesmo II, se não no todo, ao menos de algumas partes. Isto faz dele um hino venerável e que deveria ser tão conhecido como outros.
O Te Deum é usado normalmente em duas ocasiões. Ao fim do Ofício das Leituras (Forma Ordinária) ou das Matinas (Forma Extraordinária) dos domingos e solenidades, e no dia 31 de dezembro, como ação de graças pelo ano.
Sobre o momento para se rezar ou cantar, não há regras. Sendo um hino de louvor e ação de graças, é propício para depois da Comunhão.
No Vaticano, neste ano, como se pode ver no livreto, ele será cantado dentro da Adoração ao Santíssimo Sacramento, antes do Tantum ergo ("Tão sublime"). Antes desta Adoração serão rezadas as I Vésperas da Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus.
Fique claro que ele não é citado no Missal e, portanto, não tem lugar fixo na Santa Missa. Provavelmente o ideal é colocá-lo antes ou depois da Missa, mas não dentro, a não ser após a Comunhão. Interessante também é que seja feito de tal modo que todos cantem ou rezem, a fim de lucrarem a indulgência plenária, como recorda a nota do Diretório da Liturgia e da organização da Igreja no Brasil 2011 (pág. 207):
Hoje, último dia do ano civil, concede-se a Indulgência Plenária a todas as pessoas que, em comunidade, nas igrejas e oratórios públicos ou semipúblicos, rezarem ou cantarem o "Te Deum" em ação de graças (cf. Enchir. Indulgentiarum, n. 60).
Letra em latim:

Te Deum laudamus: te Dominum confitemur.
Te æternum Patrem omnis terra veneratur.
Tibi omnes Angeli; tibi cæli et universæ Potestates;
Tibi Cherubim et Seraphim incessabili voce proclamant:
Sanctus, Sanctus, Sanctus,
Dominus Deus Sabaoth.
Pleni sunt caeli et terra maiestatis gloriæ tuæ.
Te gloriosus Apostolorum chorus,
Te Prophetarum laudabilis numerus,
Te Martyrum candidatus laudat exercitus.
Te per orbem terrarum
sancta confitetur Ecclesia,
Patrem immensæ maiestatis:
Venerandum tuum verum et unicum Filium;
Sanctum quoque Paraclitum Spiritum.
Tu Rex gloriæ, Christe.
Tu Patris sempiternus es Filius.
Tu ad liberandum suscepturus hominem,
non horruisti Virginis uterum.
Tu, devicto mortis aculeo,
aperuisti credentibus regna cælorum.
Tu ad dexteram Dei sedes, in gloria Patris.
Iudex crederis esse venturus.
Te ergo quæsumus, tuis famulis subveni:
quos pretioso sanguine redemisti.
Æterna fac cum sanctis tuis in gloria numerari.
Salvum fac populum tuum, Domine,
et benedic hereditati tuæ.
Et rege eos, et extolle illos usque in æternum.
Per singulos dies benedicimus te;
Et laudamus Nomen tuum in sæculum, et in sæculum sæculi.
Dignare, Domine, die isto sine peccato nos custodire.
Miserere nostri Domine, miserere nostri.
Fiat misericordia tua, Domine, super nos,
quemadmodum speravimus in te.
In te, Domine, speravi:
non confundar in æternum.

Letra oficial em português:

A vós, ó Deus, louvamos,
a vós, Senhor, cantamos.
A vós, Eterno Pai,
adora toda a terra.
A vós cantam os anjos,
os céus e seus poderes:
Sois Santo, Santo, Santo,
Senhor, Deus do universo!
Proclamam céus e terra
a vossa imensa glória.
A vós celebra o coro
glorioso dos Apóstolos,
Vos louva dos Profetas
a nobre multidão
e o luminoso exército
dos vossos santos Mártires.
A vós por toda a terra
proclama a Santa Igreja,
ó Pai onipotente,
de imensa majestade,
e adora juntamente
o vosso Filho único,
Deus vivo e verdadeiro,
e ao vosso Santo Espírito.
Ó Cristo, Rei da glória,
do Pai eterno Filho,
nascestes duma Virgem,
a fim de nos salvar.
Sofrendo vós a morte,
da morte triunfastes,
abrindo aos que têm fé
dos céus o reino eterno.
Sentastes à direita
de Deus, do Pai na glória.
Nós cremos que de novo
vireis como juiz.
Portanto, vos pedimos:
salvai os vossos servos,
que vós, Senhor, remistes
com sangue precioso.
Fazei-nos ser contados,
Senhor, vos suplicamos,
em meio a vossos santos
na vossa eterna glória.
(A parte que se segue pode ser omitida, se for oportuno).
Salvai o vosso povo.
Senhor, abençoai-o.
Regei-nos e guardai-nos
até a vida eterna.
Senhor, em cada dia,
fiéis, vos bendizemos,
louvamos vosso nome
agora e pelos séculos.
Dignai-vos, neste dia,
guardar-nos do pecado.
Senhor, tende piedade
de nós, que a vós clamamos.
Que desça sobre nós,
Senhor, a vossa graça,
porque em vós pusemos
a nossa confiança.
Fazei que eu, para sempre,
não seja envergonhado:
Em vós, Senhor, confio,
sois vós minha esperança!

- Partitura em jpg da melodia gregoriana (tom simples, presente no Jubilate Deo);
- Vídeos com o Te Deum cantado em tom simples (latim, gregoriano):



- Vídeo com o Te Deum (A vós, ó Deus, louvamos) em melodia simplíssima com a letra oficial em português:


Abençoado 2012 para todos!

Por Luís Augusto - membro da ARS

Um comentário:

Renato disse...

Que a missa tridentina volte a ser celebrada para sempre, todo os dias, nas igrejas do Piauí para a glória de Deus, da Igreja e salvação das almas. Estive presente a missa do dia 14 celebrada na Igreja de Nossa Senhora do Amparo e parabenizo a ARS pedindo esforços junto ao Sr.Bispo para que seja celebrada semanalmente. Precisamos acabar com o modernismo que tomou conta da Igreja.