sexta-feira, 16 de julho de 2010

Temos que dar um giro de 180°!


Entrevista dado pelo Cardeal Cañizares ao jornal católico alemão Die Tagespost, por ocasião do 3º aniversário do motu proprio Summorum Pontificum.

Três anos após a publicação do Motu Proprio Summorum Pontificum, o Prefeito da Congregação Romana para o Culto Divino faz o balanço geral.

Por Regina Einig

Eminência, o Papa, na carta aos bispos do mundo, falou, no que diz respeito às primeiras conversas antes do Motu Proprio Summorum Pontificum, de alegre aceitação ou de declarada oposição. O clima mudou desde então?

O clima permaneceu essencialmente o mesmo. mas eu acredito que um movimento está a caminho. Entende-se bem melhor agora sobre o que era o Motu Proprio. A compreensão da liturgia na tradição da Igreja cresceu. O mesmo é verdade para a hermenêutica da continuidade. Tudo isto beneficiará não somente a aceitação e implementação do motu proprio, mas também enriquecerá a renovação litúrgica e a porá em prática - no sentido de que o espírito da liturgia está vivo novamente.

Na França, dois seminários diocesanos formam os seminaristas nas duas formas do Rito Romano. O que pensa deste modelo?

Há apenas uma liturgia. Consequentemente as duas formas da celebração do rito romano cabem bem na mesma formação, precisamente porque são uma e a mesma liturgia. É importante notar que a Igreja, por causa da hermenêutica da continuidade, não congela o Missal de João XXIII, mas também não rompeu com ele. A tradição da Igreja também está integrada no desenrolar do Concílio Vaticano Segundo. Portanto, a educação litúrgica para todos deverá estar na linha da Sacrosacntum Concilium. Dadas as riquezas do Rito Romano em sua inteira tradição - o que inclui o Missal de João XXIII e a reforma litúrgica pós-conciliar - ambos não podem ser postos um contra o outro. Eles são expressões da mesma riqueza litúrgica.

O senhor compartilha da visão do Bispo de Toulon, que considera ideal formar os seminaristas nas duas formas?

O Bispo de Toulon, um homem excelente, deseja visualizar a inteira tradição da Igreja à luz da hermenêutica da continuidade. E desde que a Sacrosanctum Concilium é válida, ele implementa esta formação, única na forma, na qual a celebração é ensinada em ambas as formas do Rito Romano. Os bons frutos em Toulon são evidentes.

Que elementos da forma extraordinária podem também ser integrados na forma ordinária do rito?

O senso de mistério e de sagrado, e sobretudo o senso do significado do Reino de Deus. Trata-se da grandeza de Deus e do mistério de Deus. O homem realmente é sempre indigno de partilhar do dom divino da liturgia. Precisamos novamente reconhecer o direito de Deus, o "ius divinum", o quanto antes melhor. Hoje em dia a liturgia normalmente aparece como algo a que o homem tem direito e no qual ele age. Isto reflete a secularização de nossa sociedade, enquanto outros aspectos vão sumindo em meio a isso. Isso tem levado a reforma do Concílio Vaticano II a não descobrir sua riqueza e grandeza como esperado.

O que o senhor recomenda aos sacerdotes? Por onde deveriam começar?

Os padres deveriam preparar-se para a Missa como na forma extraordinária. O mesmo vale para o rito penitencial e a consciência de que somos essencialmente indignos da celebração, mas colocando nossa confiança na misericórdia e no perdão de Deus e assim aproximarmo-nos da presença de Deus na celebração. Um tesouro que nós não devemos esquecer é o ofertório como descrito nos textos das orações [na forma extraordinária], que expressam uma atitude profunda. Deveríamos interiorizá-la.

Na sua carta aos bispos o Santo Padre sublinhou que o seu objetivo com o motu proprio é a reconciliação interna da Igreja. O que o senhor pensa sobre o debate das ordenações ilícitas da Fraternidade São Pio X?

As ordenações são um elemento incisivo num momento de graves decisões. Teria sido desejável adiar as ordenações, porque se um dia há uma oportunidade real para uma abertura e uma possibilidade de acordo, esta oportunidade pode ser dificultada pelo fato de as ordenações [terem sido realziadas].

Em relação ao Dia Mundial da Juventude em Madri, em 2011: o que o senhor recomenda aos jovens têm curiosidades acerca da Missa antiga?

Os jovens devem ser educados no espírito da liturgia. Seria um equívoco comprometê-los com uma ou outra forma de um jeito polêmico. Eles precisam ser introduzidos à adoração e ao espírito do mistério. Louvor e ação de graças deveriam ser ensinados a eles - e tudo mais que constituiu a celebração litúrgica da Igreja ao longo das gerações. Hoje os jovens precisam sobretudo de educação litúrgica, não importando a forma que defendam particularmente. Esta é a grande mudança para o futuro próximo, também para a Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos. Hoje precisamos de um novo movimento litúrgico, como houve nos séc. XIX e XX. E isto não é sobre uma ou outra forma, mas sobre a liturgia como ela é.

E como pode este novo movimento litúrgico se tornar uma realidade?

Precisamos de uma nova introdução à Cristandade. Também as crianças e os jovens. Uma introdução à liturgia não significa apenas saber sobre a celebração, embora, é claro, isto seja indispensável do ponto de vista doutrinário e teologal. Os jovens e as crianças deveriam participar de liturgias celebradas com grande dignidade, as quais devem ser inteiramente permeadas do mistério de Deus no qual cada um se entende incluído. Participação ativa não significa fazer algo, mas adentrar o culto e o silêncio, o ouvir e também a prece de súplica e tudo que realmente constitui a liturgia. Enquanto isso não acontecer, não haverá renovação litúrgica. Temos que dar um giro de 180°. Um ministério para a juventude deveria ser um lugar onde toma lugar um encontro com o Cristo vivo na Igreja. Onde Jesus Cristo aparece como alguém de ontem, não é possível haver qualquer educação litúrgica ou participação ativa. Enquanto a consciência do Cristo vivo não despertar novamente, nada acontecerá da tão esperada renovação.


Traduzido do inglês por Luís Augusto - membro da ARS

2 comentários:

Anônimo disse...

Boa noite!

O Apostolado Motus Liturgicus (www.movimentoliturgico.com.br), que tem os mesmos objetivos da ARS, saúda pelo belíssimo material.

Esperamos uma visita dos senhores e lhes sermos utéis.

Michel Pagiossi
Fundador do Apostolado Movimento Litúrgico

Associação Redemptionis Sacramentum disse...

Pax et bonum!

Somos-lhe grato pelas palavras e pela boa disposição.
Que o Bom Deus nos ajude a trabalhar com zelo, em comunhão com tantos no mundo todo que já conseguiram dar passos maiores que os nossos.

Deus o abençoe!