quarta-feira, 6 de junho de 2012

Catequese sobre a Presença Real, por São João Maria Vianney



Nosso Senhor está ali escondido, esperando que o visitemos e que lhe dirijamos nossos pedidos. Vede quão bom ele é! Ele se conforma à nossa fraqueza. No Céu, onde nós seremos gloriosos e triunfantes, nós o veremos em toda a sua glória. Se ele tivesse se apresentado a nós nessa glória, não ousaríamos nos aproximar dele; mas ele se esconde (...). Ele está lá no Sacramento de seu amor, suspirando e intercedendo incessantemente diante do Pai pelos pecadores. A que ultrajes ele não se expõe para ficar no meio de nós?
Ele está ali para nos consolar; logo, devemos visitá-lo com frequência. Quão agradável a ele são meros quinze minutos que alguém tira de suas ocupações, de coisas inúteis, para vir e rezar, para o visitar, para o consolar de todos os ultrajes que ele recebe! (...) 
Que alegria não sentimos na presença de Deus, quando nos encontramos a sós a seus pés, diante do santo tabernáculo? (...) Ah! Se tivéssemos olhos de anjos com os quais víssemos nosso Senhor Jesus Cristo, que está presente neste altar, e que está a nos olhar, como o amaríamos! Nunca mais quereríamos nos separar dele. Quereríamos permanecer para sempre a seus pés; seria uma antecipação do Céu: todo o resto ficaria sem gosto para nós. (...) Somos pobres cegos; temos um nevoeiro diante de nossos olhos. Somente a fé pode dissipar este nevoeiro. (...)
Nosso Senhor está lá como uma Vítima; e uma oração que é muito agradável a Deus é pedir à Virgem Santíssima que ofereça ao Eterno Pai seu Divino Filho, todo ensanguentado, espezinhado, pela conversão dos pecadores; é a melhor oração que podemos fazer, visto que, de fato, todas as orações são feitas em nome e através dos méritos de Jesus Cristo. Devemos também agradecer a Deus por todas as indulgências que nos purificam... mas não damos atenção a elas. (...)
Quando estamos diante do Santíssimo Sacramento, ao invés de procurarmos algo, fechemos os olhos e a boca; abramos o coração: nosso bom Deus abrirá o dele; iremos a ele, ele virá a nós, um para pedir, o outro para receber; será como a respiração de um para o outro. Que doçura não encontramos esquecendo de nós mesmos a fim de procurar a Deus? Os santos se perdiam a si mesmos para não verem nada além de Deus, e trabalharem por ele somente; eles esqueceram todas as coisas criadas a fim de encontrar a ele somente. Este é o caminho para se alcançar o Céu.



Trechos de The Blessed Curé of Ars in his catechetical instructions, Chapter 11 - Catechism on the Real Presence. 

Tradução por Luís Augusto - membro da ARS.

Nenhum comentário: