domingo, 19 de dezembro de 2010

Kalenda ou Anúncio Natalino

Pax et bonum!

Faltando poucos dias para a Solenidade do Natal do Senhor ("Prope est iam Dóminus: veníte, adorémus", como diz a Antífona do Invitatório destes dias), recomendo a todas as paróquias que utilizem o Anúncio Natalino (nome dado pela CNBB) ou Kalenda (nome usado no Martirológio Romano e no livreto da Missa da Santa Sé).
O antigo costume era cantá-la no Ofício de Prima no dia 25. O texto (um tanto diferente) está no Martirológio e foi retocado (ex: o texto antigo dizia que Cristo nasceu 5199 anos depois da criação do mundo) com as reformas do pós-Concílio. A melodia foi simplificada (ouvi um belo tom solene bem mais cheio de melismas).
A luna muda todo ano e, no ano passado, constatei que se trata de quantos dias depois da lua nova cai o dia 24 de dezembro. Como a lua nova caiu, neste ano, em 05/12, o texto será luna décima nona. Ainda assim, isto se trata de algo não oficial. O livreto da Santa Sé ainda não está disponível na web e não encontrei outras fontes. Mas esse raciocínio funcionou para os anos de 2006 até 2009, como vi nos livretos da Santa Sé.
Embora a recomendação da CNBB seja cantar dentro da Missa, antes do Gloria, como foi feito no Vaticano há alguns anos, recomendo o canto antes da Missa (o que poderá ser feito também quando a Missa for na forma extraordinária).

Texto original a ser usado este ano:

KALENDA
(Em 2006 e 2007 foi cantada no Vaticano antes do Gloria, omitindo-se o Ato Penitencial. Em 2008 e 2009 passou a ser cantada antes da Missa e foi usado normalmente o Ato Penitencial)

Octávo Kaléndas ianuárii. Luna décima nona.
Innúmeris transáctis sæculis a creatióne mundi,
quando in princípio Deus creávit cælum et terram
et hóminem formávit ad imáginem suam;
permúltis étiam sæculis, ex quo post dilúvium
Altíssimus in núbibus arcum posúerat, signum fœderis et pacis;
a migratióne Ábrahæ, patris nostri in fide, de Ur Chaldæórum sæculo vigésimo primo;
ab egréssu pópuli Ísrael de Ægýpto, Móyse duce, sæculo décimo tértio;
ab unctióne David in regem, anno círciter millésimo;
hebdómada sexagésima quinta, iuxta Daniélis prophetíam;
Olympíade centésima nonagésima quarta;
ab Urbe cóndita anno septingentésimo quinquagésimo secúndo;
anno impérii Cæsaris Octaviáni Augústi quadragésimo secúndo; toto Orbe in pace compósito,
 Iesus Christus, ætérnus Deus æterníque Patris Fílius,
mundum volens advéntu suo piíssimo consecráre,
de Spíritu Sancto concéptus, novémque post conceptiónem decúrsis ménsibus,
in Béthlehem Iudæ náscitur ex María Vírgine factus homo:
 Natívitas Dómini nostri Iesu Christi secúndum carnem.

Texto do Diretório Litúrgico da CNBB:

ANÚNCIO NATALINO
(a ser proclamado na primeira misa ("da noite de natal") após o sinal da cruz e a saudação presidencial, 
antes da entoação do Glória)

Transcorridos muitos séculos desde que Deus criou o mundo
e fez o homem à sua imagem;
- séculos depois de haver cessado o dilúvio,
quando o Altíssimo fez resplandecer o arco-íris,
sinal de aliança e de paz;
- vinte e um séculos depois do nascimento de Abraão, nosso pai;
- treze séculos depois da saída de Israel do Egito sob a guia de Moisés;
- cerca de mil anos depois da unção de Davi como rei de Israel;
- na septuagésima quinta semana da profecia de Daniel;
- na nonagésima quarta Olimpíada de Atenas;
- no ano 752 da fundação de Roma;
- no ano 538 do edito de Ciro autorizando a volta do exílio e a reconstrução de Jerusalém;
- no quadragésimo segundo ano do império de César Otaviano Augusto,
enquanto reinava a paz sobre a terra, na sexta idade do mundo.
JESUS CRISTO DEUS ETERNO E FILHO DO ETERNO PAI,
querendo santificar o mundo com a sua vinda,
foi concebido por obra do Espírito Santo e se fez homem;
transcorridos nove meses nasceu da Virgem Mariaem Belém de Judá.
Eis o Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo a natureza humana.
Venham, adoremos o Salvador.
Ele é Emanuel, Deus Conosco.

Tradução minha para o Folheto Litúrgico Dies Domini do dia 24/12/2010:

Oito dias antes do início de Janeiro. Décimo nono dia após a lua nova.
Passados inúmeros séculos da criação do mundo, 
quando no princípio Deus criou o céu e a terra 
e formou o homem à sua imagem;
muitos séculos também, desde quando, após o dilúvio, 
o Altíssimo pôs nas nuvens o arco[-íris] como sinal de aliança e de paz;
2100 anos da saída de Abraão, nosso pai na fé, de Ur dos Caldeus; 
1300 anos do êxodo do povo de Israel do Egito, tendo Moisés como guia;
aproximadamente 1000 anos da unção de Davi como rei; 
na semana sexagésima quinta, como disse a profecia de Daniel;
no tempo da 194ª Olimpíada; aos 752 anos da fundação da Cidade de Roma;
no 42º ano do império de César Otaviano Augusto; estando o mundo inteiro em paz,
Jesus Cristo, Deus eterno e Filho do Pai Eterno, 
desejando consagrar o mundo com sua vinda piíssima,
sendo concebido do Espírito Santo, e passados daí os nove meses,
nascendo em Belém da Judéia, da Virgem Maria, se fez homem.
Eis o Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo a carne!
Por Luís Augusto - membro da ARS

5 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns!!!! Gostei muito do blog, e tambem sobre a materia sobre as Kalendas de Natal, tenho uma dúvida, no caso da "Luna" o ano que vem, 2010 a Lua nova vai ser no dia 24 de Dezembro.......... como ficará então o canto da Kalenda ? Seria então, em latim: " Luna prima" e em portugues " primeiro dia da lua nova" ??

Desde já muito obrigado!!
Fique com Deus.

Luís Augusto disse...

Pax et bonum!

Caríssimo, sua pergunta é muitíssimo interessante e, confesso, não tenho resposta. Realmente em 2011 a Lua Nova cai exatamente no dia 24/12. Poderei pesquisar em outros textos do Martirológio ou noutro lugar.

Anônimo disse...

Caro,
A expressão "Luna decima nona" não ficaria mais correta se dita "Luna undeviginte", conforme as regras da numeração latina?
Abraços.

ARS disse...

Olá!
No caso, poderia ser "luna undevicesima". Todavia, o livreto do Vaticano utilizou, na ocasião, luna decima nona. Talvez por alguma questão de métrica, não sabemos.
Salve Regina!

Leonardo Martins disse...

NA Verdade as calendas são feitas antes das missas. Nunca dentro da missa.