quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Catecismo - a referência segura e autêntica para o ensino da doutrina católica

Pax et bonum!

Aproximando-se a abertura do Ano da Fé, esta postagem dedica-se a alguns catecismos históricos e oficiais da Igreja ocidental, que por gerações têm servido de grande referência no ensino da sã doutrina católica. De fato, o Santo Padre nos diz que "o Ano da Fé deverá exprimir um esforço generalizado em prol da redescoberta e do estudo dos conteúdos fundamentais da fé" (Carta Apostólica sob a forma de motu proprio Porta Fidei, 11).
Se ainda não temos o costume, devemos implantá-lo em nosso cotidiano: nas dúvidas e nos desejos de esclarecimento quanto às verdades de nossa fé, RECORRER AO CATECISMO.
Os catecismo que indicamos abaixo são os "de São Pedro Canísio" (séc. XVI), o "Romano" (de Trento, séc. XVI), o "de São Pio X" (em perguntas e respostas, séc. XX), o "da Igreja Católica" (atualmente oficial, de 1992) e o seu "Compêndio" (retomando o método de perguntas e respostas, de 2005).
Que possam encontrar muitos acessos e downloads por parte de nossos leitores.

O Catecismo Católico de São Pedro Canísio

"Sua obra principal foi seu triplo 'Catecismo'. Em 1551, o Rei Ferdinando I pediu à Universidade de Viena que escrevesse um compêndio da Doutrina Cristã, e Canísio escreveu (Viena, 1555), primeiramente para estudantes avançados, sua 'Summa doctrinæ christianæ... in usum Christianæ pueritiæ' - 211 questões em 5 capítulos (a primeira edição apareceu sem o nome do autor, mas depois todos os três catecismos levaram seu nome); logo um extrato curto para crianças na escola, 'Summa... ad captum rudiorum accommodata' (Ingolstadt, 1556), foi publicado como apêndice ao 'Principia Grammatices'; seu catecismo para os estudantes do grau inferior e médio, 'Parvus Catechismus Catholicorum' (depois conhecido como 'Institutiones christianæ pietatis' ou 'Catechismus catholicus'), é um extrato de seu catecismo maior, escrito no inverno de 1557-58. (...)
O catecismo de Canísio é digno de nota pelos seus ensinamentos eclesiasticamente corretos, suas sentenças claras e positivas, e sua forma branda e nobre. (...)
Durante sua vida, seu 'Catecismo' apareceu em mais de 200 edições em pelo menos 12 línguas. Foi uma das obras que influenciaram São Luiz Gonzaga a entrar na Companhia de Jesus; (...) e até o séc. XVIII, em vários lugares, as palavras 'Canísio' e catecismo eram sinônimos. Ele tornou-se como fundamento e padrão para os catecismos impressos posteriormente".
(Tradução de trecho do artigo da New Catholic Encyclopedia sobre São Pedro Canísio)

Link: Catecismo Católico Trilíngue (em latim, grego e espanhol)

O Catecismo Romano ou Catecismo para os Párocos segundo o Decreto do Concílio de Trento

Este catecismo difere dos outros suários da doutrina cristã para a instrução do povo em dois pontos: ele primeiramente foi intencionado para os padres que têm cura de almas (ad parochos), e goza de uma autoridade igualada por nenhum outro catecismo. A necessidade de um manual popular oficial cresceu pela falta de um conhecimento sistemático entre o clero pré-Reforma e a concomitante negligência de instrução religiosa entre os fiéis. (...)
Pio IV confiou a composição do Catecismo a quatro distintos teólogos: Arcebispos Leonardo Marino de Lanciano e Muzio Calini de Zara, Egidio Foscarini, Bispo de Modena, e Francisco Fureiro, um dominicano português. Três cardeais foram apontados para supervisionar os trabalhos. São Carlos Borromeu chefiou a redação do texto original italiano, o qual, graças a seus esforços, foi finalizado em 1564. O Cardeal William Sirletus, então, deu os toques finais, e os famosos Humanistas, Júlio Pogiano e Paulo Manúcio, traduziram-no para o latim clássico. Ele foi publicado em latim e italiano como "Catechismus ex decreto Concilii Tridentini ad parochos Pii V jussu editus, Romae, 1566". Traduções para o vernáculo de cada nação foram ordenadas pelo Concílio (Sess. XXIV, "De Ref.", c. vii).
O Concílio tinha como intenção fazer do projetado Catecismo o manual oficial de instrução popular da Igreja. (...) Na intenção da Igreja, o Catecismo, embora escrito primeiramente para os párocos, também foi feito para dar um esquema fixo e estável de instrução para os fiéis, especialmente com respeito aos meios da graça, algo tão negligenciado no tempo. Para alcançar este objetivo, a obra seguiu estritamente as definições dogmáticas do Concílio. Ele está dividido em quatro partes:
I. O Símbolo dos Apóstolos; 
II. Os Sacramentos; 
III. O Decálogo; 
IV. A Oração, especialmente a Oração do Senhor.

Link: Catecismo Romano (em português)

O Catecismo Maior ou Catecismo de São Pio X ou Terceiro Catecismo da Doutrina Cristã

"Outro ramo importante foi o da formação doutrinal do Povo de Deus. Desde os anos em que era pároco, tinha redigido pessoalmente um catecismo e, durante o Episcopado em Mântua, trabalhara a fim de que se chegasse a um catecismo único, se não universal, pelo menos italiano. Como autêntico Pastor, compreendera que a situação nessa época, também devido ao fenómeno da emigração, tornava necessário um catecismo ao qual cada fiel pudesse fazer referência, independentemente do lugar e das circunstâncias de vida. Como pontífice, preparou um texto de doutrina cristã para a Diocese de Roma, depois se difundiu em toda a Itália e no mundo. Este Catecismo, chamado 'de Pio X' foi para muitas pessoas uma guia segura na aprendizagem das verdades relativas à fé pela sua linguagem simples, clara e específica, e pela eficácia da sua exposição".
(Trecho referente a São Pio X, da Audiência do Papa Bento XVI, 18/08/2010)

Link: Catecismo Maior de São Pio X (em português e em espanhol)

O Catecismo da Igreja Católica

"A 25 de janeiro de 1985, convoquei uma Assembléia Extraordinária do Sínodo dos Bispos, por ocasião do vigésimo aniversário do encerramento do Concilio. (...)
Nessa ocasião, os Padres sinodais afirmaram: 'Muitíssimos expressaram o desejo de que seja composto um Catecismo ou compêndio de toda a doutrina católica, tanto em matéria de fé como de moral, para que ele seja como um ponto de referência para os catecismos ou compêndios que venham a ser preparados nas diversas regiões. A apresentação da doutrina deve ser bíblica e litúrgica, oferecendo ao mesmo tempo uma doutrina sã e adaptada à vida atual dos cristãos'. (...)
O 'Catecismo da Igreja Católica' é fruto de uma vastíssima colaboração: foi elaborado em seis anos de intenso trabalho, conduzido num espírito de atenta abertura e com apaixonado ardor.
Em 1986, confiei a uma Comissão de doze Cardeais e Bispos, presidida pelo senhor Cardeal Joseph Ratzinger, o encargo de preparar um projeto para o Catecismo requerido pelos Padres do Sínodo. Uma Comissão de redação, composta por sete Bispos diocesanos, peritos em teologia e em catequese, coadjuvou a Comissão no seu trabalho. (...)
O 'Catecismo da Igreja Católica' por um lado retoma a 'antiga' ordem, a tradicional, já seguida pelo Catecismo de São Pio V, articulando o conteúdo em quatro partes: o Credo; a sagrada Liturgia, com os sacramentos em primeiro plano; o agir cristão, exposto a partir dos mandamentos; e por fim a oração cristã. Mas, ao mesmo tempo, o conteúdo é com freqüência expresso de um modo 'novo', para responder às interrogações da nossa época. (...)
Peço, portanto, aos Pastores da Igreja e aos fiéis que acolham este Catecismo em espírito de comunhão, e que o usem assiduamente ao cumprirem a sua missão de anunciar a fé e de apelar para a vida evangélica. Este Catecismo lhes é dado a fim de que sirva como texto de referência, seguro e autêntico, para o ensino da doutrina católica, e de modo muito particular para a elaboração dos catecismos locais. É também oferecido a todos os fiéis que desejam aprofundar o conhecimento das riquezas inexauríveis da salvação (cf. Jo 8,32). (...) O 'Catecismo da Igreja Católica', por fim, é oferecido a todo o homem que nos pergunte a razão da nossa esperança (cf. l Pd 3,15) e queira conhecer aquilo em que a Igreja Católica crê.
(Trechos da Constituição Apostólica Fidei Depositum para a publicação do Catecismo da Igreja Católica redigido depois do Concílio Vaticano II, do Papa João Paulo II, 11/10/1992)

Link: Catecismo da Igreja Católica (em latim e em português)

O Compêndio do Catecismo da Igreja Católica

"Há já vinte anos que se iniciou a elaboração do Catecismo da Igreja Católica, pedido pela Assembleia Extraordinária do Sínodo dos Bispos, por ocasião do vigésimo aniversário do encerramento do Concílio Vaticano II.
Agradeço muito a Deus Nosso Senhor por ter dado à Igreja tal Catecismo, promulgado, em 1992, pelo meu venerado e amado Predecessor, o Papa João Paulo II.
Agora com grande alegria aprovo e promulgo o Compêndio de tal Catecismo.
Ele tinha sido intensamente desejado pelos participantes no Congresso Internacional de Catequese de Outubro de 2002, que, deste modo, se fizeram intérpretes duma exigência muito difundida na Igreja. Para acolher este desejo, o meu saudoso Predecessor, em Fevereiro de 2003, decidiu a sua preparação, confiando a sua redação a uma Comissão restrita de Cardeais, presidida por mim, apoiada pela colaboração de alguns especialistas. No decorrer dos trabalhos, um projeto do Compêndio foi submetido à apreciação de todos os Eminentíssimos Cardeais e dos Presidentes das Conferências Episcopais, que, na sua grande maioria, o acolheram e apreciaram positivamente.
O Compêndio, que agora apresento à Igreja universal, é uma síntese fiel e segura do Catecismo da Igreja Católica. Ele contém, de maneira concisa, todos os elementos essenciais e fundamentais da fé da Igreja, de forma a constituir, como desejara o meu Predecessor, uma espécie de vademecum, que permita às pessoas, aos crentes e não crentes, abraçar, numa visão de conjunto, todo o panorama da fé católica".


Por Luís Augusto - membro da ARS

Nenhum comentário: