domingo, 2 de janeiro de 2011

"Versus Deum" explicado na homilia da Epifania na Matriz

Pax et bonum!

Hoje servi na Santa Missa na Igreja Matriz de Nossa Senhora do Amparo, às 9h. Como em grande parte do Brasil, para nós, na Arquidiocese de Teresina, hoje é a Solenidade da Epifania do Senhor.
Foi a terceira vez que usamos o "arranjo beneditino" (castiçais dispostos lado a lado de forma simétrica e um crucifixo ao centro voltado para o sacerdote, tudo sobre o altar) e primeira vez numa Missa de domingo (acredito que não foi usado domingo passado, Festa da Sagrada Família; não pude estar presente lá).
A Missa foi "versus populum", como normalmente é. Na homilia, porém, falando do Oriente (onde brilhou a estrela vista pelos magos), o Pe. José de Pinho Borges Filho, pároco, até para minha surpresa, falou do oriente litúrgico. Citou a expressão "de costas para o povo", marcando-a como muito imprópria, ao explicar que os sacerdotes costumavam celebrar voltados para o Oriente, o nascente, símbolo de Cristo (numa mescla de sentido epifânico e escatológico), o que significava estar na mesma direção do povo, todos voltados para Deus.
Falou que o sacerdote não é o centro e, por isso, estamos usando dois crucifixos (um, afixado no fundo do presbitério, a certa altura, e outro no altar, voltado para o sacerdote). O crucifixo no altar seria indicativo de que o sacerdote toma o povo consigo para levá-lo para o Senhor.
Na verdade, acredito que foi muito proveitoso para o padre o podcast "Reforma da Reforma", do conhecidíssimo Pe. Paulo Ricardo, pois nesta quinta-feira (30/12/2010), estando eu em sua casa, nós o ouvimos. Ele, de fato, comentou positivamente sobre as palestras do Pe. Paulo Ricardo.
Manifesto minha gratidão (como fiz pessoalmente após a Missa) ao Pe. José de Pinho por ter dado uma instrução tão simples, mas tão necessária para nossos tão antropocêntricos tempos, com suas auto-celebrações.
Que 2011 seja um ano de muitas "viradas"!

Por Luís Augusto - membro da ARS

Nenhum comentário: